Autoestima é a avaliação subjetiva que um índividuo faz de si mesmo como sendo intrinsecamente positiva ou negativa em algum grau.

A autoestima envolve tanto crenças autossignificantes como emoções autossignificantes associadas. Também encontra expressão no comportamento.

A maneira certa de escrever a expressão é baixa estima ou baixa autoestima? Neste artigo, resolvemos essa questão e explicamos quando utilizar essa expressão. Vamos lá!

Baixa autoestima ou baixa estima

Baixa autoestima ou baixa estima
Baixa autoestima ou baixa estima

A forma correta é BAIXA AUTOESTIMA. Usamos essa expressão quando queremos nos referir à falta de amor-próprio.

A confusão ocorre, porque “baixo” é antônimo de “alto”, que se pronuncia da mesma forma que o prefixo “auto”, que significa aquilo que é próprio ou que funciona por si mesmo.

Ex1: Os padrões de beleza impostos pela mídia podem gerar baixa autoestima.

Ex2: A  autoestima baixa pode nos fazer perder boas oportunidades profissionais.

É importante observar que o substantivo autoestima também pode ser acompanhado pelo adjetivo alta.

Ex3: Maria tinha uma autoestima alta.

Auto-estima x Autoestima

Antes da Reforma Ortográfica, o substantivo autoestima era escrito com hífen. Contudo, atualmente, só se usa o hífen com o prefixo “auto” se a segundo palavra começar com as letra “o” ou “h” (auto-hipnose e auto-observação).

Nos demais casos, as palavras devem ser escritas juntas: autoescola, autoajuda, autopeças.

Vale destacar que, quando a segunda palavra começar com “r” ou “s”, essas letras devem ser dobradas (autorretrato e autossabotagem).

Como melhorar a autoestima e autoconfiança? Para que a autoestima seja um alicerce sólido e realista, é necessário chegar à sua origem. Para fazer isso, você pode seguir estes 4 passos:

  1. Esteja ciente dos pensamentos. Para melhorar sua autoestima, antes de tudo, você deve estar ciente de quais são seus pensamentos sobre si mesmo, sobre os outros e sobre o mundo em geral.

Esses pensamentos ou avaliações que fazemos sobre nós mesmos, sobre os outros ou sobre o que está acontecendo geralmente têm uma conotação negativa ou positiva, dependendo do nosso sistema de crenças.

  1. Reconhecer crenças. Se você quer melhorar sua auto-estima, em segundo lugar, você precisa examinar quais crenças estão por trás desses pensamentos. Ou seja, muitas de suas características são neutras, porém, existem crenças arraigadas que atuam como um filtro em nossas mentes.

Então, ao observar a realidade objetiva e neutra, nosso próprio filtro se encarrega de valorizar negativa ou positivamente essas características.

  1. Questione as crenças. Terceiro, quando você está ciente das crenças que fazem com que você se avalie mal ou negativamente, para melhorar sua autoestima, você pode começar a questionar essas crenças que vem adquirindo.
  2. Mude as crenças. Nesse ponto, depois de questionar as crenças, você pode se perguntar se elas são realmente verdadeiras para você ou não. Se não forem, você pode substituí-los por outros que sejam mais objetivos e verdadeiros para você.

Exercícios para melhorar a autoestima e autoconfiança

Como aumentar minha autoestima? Para melhorar a autoestima é preciso conhecer-se, aceitar-se e também cuidar-se e tratar-se bem, o que em psicologia chamamos de autocompaixão .

Para isso, é preciso exercitar a consciência, trabalhar o autoconhecimento e praticar a autocompaixão. Você pode fazê-lo com estes exercícios para melhorar a auto-estima :

  1. Use linguagem não pejorativa. Se você está se perguntando “como melhorar a autoestima”, saiba que esse é um dos pontos mais importantes. Consiste em eliminar todas as palavras que tenham conotações negativas: estúpido, gordo, feio,… Esses termos, principalmente quando usados ​​continuamente, podem devorar sua auto-estima.
  2. Use uma linguagem precisa. Não exagere ou embeleze traços negativos, atenha-se aos fatos. Por exemplo, “Eu não sou bonito para os outros” é um termo impreciso.

Deveria ser reformulado como “certas pessoas me acham mais atraente e outras menos, porque tenho feições muito bonitas e outras menos, dependendo do que você olha”. A ideia de “não sei fazer nada sem meu marido” deveria ser reformulada como “costumo seguir as ideias do meu marido.

  1. Use linguagem específica em vez de geral. Elimine termos como tudo, sempre, nunca, totalmente. Por exemplo, mudar “Eu odeio ficar sozinho” para outros tipos de formulações como “Eu gostaria de ser acompanhado quando às vezes estou sozinho em casa”. Reconheça que os problemas ocorrem em certas ocasiões e com certas pessoas.
  2. Encontre exceções ou talentos correspondentes. Por exemplo “Sou tímido quando tenho que paquerar na discoteca, sou inseguro”. Pode ser alterado para “Sou tímido porque não consigo falar baixinho, quando conheço alguém em outro contexto me dou muito melhor. Meu ambiente favorito para flertar é…”

Técnicas para melhorar a autoestima e autoconfiança

Realizar os exercícios acima para melhorar a auto-estima pode ser complexo. Por isso, disponibilizamos algumas técnicas para melhorar a autoestima que podem te ajudar a colocar as mudanças em prática.

1. Para evitar rótulos pejorativos, os seguintes pensamentos podem ajudá-lo:

  • Isso não sou eu, é apenas um rótulo.
  • Os rótulos exageram minha parte mais fraca.
  • Não há mais rótulos, você precisa especificar mais.
  • Tenho mais qualidades do que defeitos, embora agora não as veja.
  • Sempre fiz o que pude e continuarei fazendo.
  • O que exatamente quero dizer com…?

2. Para evitar pensamentos de tudo ou nada, os seguintes pensamentos são úteis:

  • Todos cometem erros. É humano.
  • Às vezes você é perfeitamente competente e outras vezes menos.
  • Nunca eres totalmente incompetente.
  • Você faz bem o seu trabalho.
  • Não é o fim do mundo.

3. Quando você estiver fazendo comparações, você pode recorrer às seguintes afirmações:

  • Todo mundo é diferente, com qualidades e defeitos diferentes.
  • Só porque ele não tem uma carreira não significa que ele é pior do que eles.
  • Não devo presumir nada, mas verificá-lo.

4. Quando você se pega “adivinhando” o que os outros pensam de você:

  • Não tenho como saber o que eles estão pensando.
  • A única maneira de saber a opinião dos outros é perguntar-lhes diretamente.
  • Não suponha nada. Confira.
  • Por que assumir o negativo? Posso te dar outra explicação?
  • Quais são os fatos?
  • Eu não sei o que você pensa e eu não me importo.
  • Ele é gentil apesar de tudo. Quem sabe o que ele realmente sente?
  • É uma perda de tempo tentar inventar o que pensam de mim.

5. Caso você se deixe levar pelo raciocínio emocional, os seguintes pensamentos podem ajudá-lo:

  • Meus sentimentos não são automaticamente verdadeiros.
  • Mentira, minhas emoções me enganam!
  • Desconfie de todos os sentimentos repentinos.
  • Quais são os pensamentos que me fazem sentir tão triste e nervoso? Eu sei que se eu corrigi-los e alterá-los, esse desconforto desaparecerá.

Atividades para melhorar a autoestima

Como aumentar a autoestima? Além de aplicar os exercícios e técnicas psicológicas acima, você pode fazer outras atividades para melhorar a autoestima:

  1. Manter relacionamentos sociais. Para aumentar sua auto-estima, é aconselhável manter uma vida social ativa e enriquecer-se com atividades com outras pessoas e relacionamentos com outras pessoas.
  2. Pratique atividade física regularmente. Se você deseja aumentar a auto-estima, ajudará se você for saudável e manter hábitos saudáveis ​​em termos de alimentação, descanso e exercícios. Além disso, o exercício físico aumenta a liberação de endorfinas , que produzem bem-estar.