Você está se perguntando como ajudar alguém com ansiedade? Você não está sozinho. A ansiedade afeta milhões de pessoas e não leva em consideração gênero, idade, histórico ou qualquer outra coisa – é provável que você conheça alguém com ansiedade.

A parte complicada do transtorno de ansiedade generalizada é que ele pode se apresentar por meio de vários sintomas e reações que todos nós experimentamos como parte de nossos sistemas naturais de defesa.

É importante lembrar que a ansiedade faz bem em pequenas doses. No entanto, a ansiedade repetitiva e crônica pode ser debilitante e nos afetar negativamente à medida que tentamos navegar em nossas vidas diárias.

Se você ou alguém que você ama experimenta ansiedade rotineira que interfere na socialização, no trabalho, na escola ou na vida familiar, há várias coisas que você pode fazer para ajudar.

Como acalmar alguém com ansiedade

Como acalmar alguém com ansiedade
Como acalmar alguém com ansiedade

Apoiar alguém que está passando por um certo nível de ansiedade requer uma abordagem adequada à sua situação.

Em primeiro lugar, é necessário avaliar se existe uma razão para tal reação emocional, para poder agir pouco a pouco para diminuir seu nível de tensão. Nesse sentido podemos fazer algumas recomendações.

1. Incentive-o a comunicar seus sentimentos

Muitas vezes sensações e emoções consideradas negativas, como tristeza ou ansiedade, tendem a ser ocultadas ou mal expressas.

Uma boa maneira de diminuir o nível de tensão de alguém que está ansioso é permitir que essa emoção se expresse de alguma forma. Nesse sentido, pode ser útil conversar com ele sobre sua situação.

2. Atividades expressivas e liberadoras de energia

Provavelmente, quando estamos ansiosos, uma das maneiras de reduzir esse desconforto é fazer algo que nos permita desabafar. Isso também pode ser usado por outros para fazê-lo.

Entre as diferentes atividades a serem realizadas, destacam-se aquelas que nos permitem realmente descarregar nossos instintos, como exercitar, boxear, cantar, gritar ou dançar.

Também pode ser útil escrever ou pintar, de preferência evitando racionalizações excessivas, mas deixando que as coisas surjam e fluam naturalmente.

3. Ajude-o a valorizar suas preocupações

Existem muitos aspectos da nossa vida que podem gerar ansiedade. No entanto, às vezes o foco nesses aspectos pode se tornar extremamente desadaptativo e nos impedir de um funcionamento normativo. Pode ser útil ajudá -lo a apreciar suas preocupações, como você se relaciona com elas e como elas o afetam.

É importante não fazer isso criticamente ou diminuindo a importância de seus pensamentos (já que, afinal, se eles geram ansiedade, é porque você se importa), mas de forma reflexiva e propondo se se preocupar ou evitar situações é realmente uma vantagem ou desvantagem no seu dia-a-dia.

4. Proponha interpretações alternativas

Outro aspecto que pode ser útil e que de fato é usado na terapia é propor a busca de interpretações alternativas de nossos pensamentos e preocupações, bem como possíveis pensamentos perturbadores, disfuncionais ou especialmente limitantes.

5. Use técnicas de relaxamento

Uma das técnicas mais comuns no que diz respeito à ansiedade são as técnicas de relaxamento, dentre as quais se destacam a respiração e o relaxamento muscular.

Estes tipos de técnicas permitem-nos centrar a nossa atenção em determinadas sensações, ou habituar-nos a passar de estados de tensão a outros de relaxamento, de modo a reduzir e prevenir a possibilidade de sofrer uma crise ao mesmo tempo que reduz a actividade nervosa e acalmar o corpo e a mente.

Nesse sentido, é possível indicar a possibilidade de realizar alguma variante desse tipo de técnica, mesmo em grupo.

6. Atenção plena

Embora a atenção plena pareça ser a mais nova moda quando se trata de práticas de meditação de origem oriental, a verdade é que esta técnica tem demonstrado ter efeitos muito benéficos no tratamento da ansiedade.

Muitas vezes mal denominada técnica de relaxamento, o que se pretende com esse tipo de metodologia é focar no aqui e agora, bem como observar nossos pensamentos e sensações e permitir que fluam sem julgá-los. É muito útil para ajudar uma pessoa com ansiedade e não leva muito tempo para aprender o básico.

7. Recomende ajuda profissional

No caso de estarmos enfrentando um transtorno de ansiedade, essas recomendações podem ficar aquém e geralmente é aconselhável procurar ajuda profissional.

Nesse sentido, pode ser uma boa ideia tentar ajudar a encontrar um psicólogo ou recomendar fazê-lo, pois muitas pessoas podem não se atrever a dar o passo.

Ao longo dos processos de psicoterapia, são trabalhadas as habilidades psicoemocionais e a geração de hábitos necessários para regular melhor os processos de ansiedade.

Por exemplo, o paciente é treinado em técnicas de relaxamento, é ajudado a se acostumar com certas situações estressantes, é ajudado a adotar uma mentalidade construtiva que não alimenta o medo, etc. Desta forma, em poucos meses, são alcançadas importantes mudanças para melhor.