A alfabetização é uma das fases mais importantes da infância. É emocionante ver os pequenos aprendendo sobre as letras e começando a se expressar por meio delas. A leitura é um dos principais aliados para esse processo e é comum que muita gente se pergunte: “como ensinar meu filho a ler?”.

Sabendo da importância desse assunto, o blog Modo Brincar preparou um conteúdo com dicas sobre como ensinar a criança a ler.

São truques simples, mas podem facilitar toda a alfabetização. Além disso, vamos explicar um pouco mais sobre os benefícios da leitura para a criançada e como escolher as obras adequadas para cada fase. Confira!

Como ensinar meu filho de 7 anos a ler

Como ensinar meu filho de 7 anos a ler
Como ensinar meu filho de 7 anos a ler

Para você entender melhor como ensinar seu filho a ler, trouxemos algumas dicas que podem ajudar nesse processo. É importante ter em mente que os adultos têm um papel fundamental na alfabetização, estimulando e ajudando os pequenos a entender melhor tudo que estão aprendendo nessa fase.

1. Ensine a diferença entre letras, desenhos e símbolos

Se você se pergunta “como alfabetizar meu filho?”, saiba que a primeira etapa desse processo é ensiná-los sobre a diferença entre letras, desenhos e símbolos. Isso pode parecer algo banal para nós, mas, nesse primeiro contato com a leitura, é fundamental que os pequenos saibam fazer essa distinção para compreender as histórias.

2. Mostre quais são as vogais

As vogais são essenciais para qualquer palavra, por isso o próximo passo é apresentá-las para os pequenos. Mostre como é a grafia dessas letras, depois os sons de cada uma. Uma dica é falar algumas palavras simples como gato e cama para ajudar a criançada a identificar as vogais.

3. Apresente o alfabeto

Após apresentar as vogais, está na hora de mostrar o alfabeto. Existem músicas infantis que podem ajudar a criançada a compreender as letras, mas é importante que você mostre como é a grafia de cada um. Um modo bacana de facilitar o processo é escrever o nome da criança e pedir que ela identifique cada letra.

4.Use textos de mentores. 

Faça com que seus alunos leiam textos que demonstrem as qualidades de uma escrita eficaz (também conhecidos como textos exemplares). Deixe-os dizer, em suas próprias palavras, por que eles amam seus livros favoritos. Em seguida, incentive-os a serem específicos.

Por exemplo, “O que no texto ajudou você a acreditar que esse autor amava a fazenda onde cresceu mais do que qualquer outro lugar do mundo?”

Nesse sentido, ensine aos seus alunos um vocabulário claro e específico para descrever as características da escrita de alta qualidade (como “ideias”, “organização”, “escolha de palavras” etc.) tipos de texto.

Use uma rubrica que dê aos alunos a linguagem de que precisam para analisar textos de qualidade variável, para que aprendam a distinguir o que torna um texto exemplar.

Além disso, estude os textos do mentor com seus alunos. Peça-lhes que usem destaque ou codificação de cores para identificar características específicas de uma escrita eficaz.

Em um exemplo do guia prático, os alunos que lêem um texto argumentativo destacam cada uma das afirmações do autor em amarelo como forma de aprender mais sobre como um argumento é estruturado.

Quando seus alunos entendem os recursos que estão identificando, eles são mais capazes de demonstrar o que aprenderam em sua própria escrita.

Lembre-se: à medida que você integra a leitura e a escrita na sala de aula, certifique-se de desenvolver a capacidade dos alunos de selecionar e usar de forma independente estratégias diferentes para criar significado. Além disso, não tenha medo de desviar das estratégias e mudar a tarefa ocasionalmente.

Seu objetivo é o envolvimento ativo dos alunos, o que dá aos alunos a confiança e a capacidade de lidar com leitura e escrita complexas.

4. Fonética

Se a Ciência da Leitura nos diz alguma coisa, é que a fonética deve ser sistemática e explícita. Nunca deixe os alunos adivinhando. Dentro da sala de aula, os alunos trabalham em vários níveis de ortografia.

O que os professores mais precisam são aulas de fonética que sejam fáceis de criar e diferenciar para todos os alunos dentro da sala de aula. Passar horas na frente da copiadora ou recortar peças do jogo para essas atividades não é ideal ou eficiente.

5. Incentive a leitura em todo lugar

Nessa fase inicial, a repetição faz toda a diferença. Por isso, incentive que os pequenos leiam vários trechos durante a rotina. Pode ser uma placa de trânsito, palavras nas embalagens de alimentos, receitas ou qualquer outra coisa que apareça no dia a dia da criançada.

6. Estimule dentro de casa

O estímulo no ambiente caseiro é muito importante também. Separe um tempo na rotina para sentar com eles e fazer a leitura com seriedade e longe de distrações. Isso ajuda não só na leitura, mas futuramente nos momentos de estudo. Por isso, essa é uma medida simples, mas eficaz para quem se pergunta “como ensinar meu filho a escrever e ler?”.

7. Dê o exemplo

A criançada tem a tendência de imitar as ações dos adultos, principalmente nas fases iniciais da vida. Por isso, tenha o hábito da leitura na sua rotina. Isso faz seu filho notar que você tem interesse por livros, assim ele passa a demonstrar curiosidade e motivação para ler também.

8. Use gibis, livrinhos e jogos para ajudar

Se você já se perguntou “como ensinar meu filho a ler”, saiba que os gibis e livrinhos infantis são ótimas maneiras de ajudar. A Turma da Mônica, por exemplo, é um sucesso de várias gerações. Jogos de alfabetização também podem auxiliar nesse processo.