Muitas pessoas têm estresse crônico e ansiedade. Eles enfrentam sintomas como nervosismo, agitação, tensão, coração acelerado e dor no peito.

Na verdade, a ansiedade está entre os problemas de saúde mental mais comuns. Nos Estados Unidos, mais de 18% dos adultos são afetados por transtornos de ansiedade a cada ano.

Em alguns casos, outra condição médica, como uma tireoide hiperativa, pode causar um transtorno de ansiedade. Obter um diagnóstico preciso pode garantir que uma pessoa receba o melhor tratamento.

Qual é o melhor remédio para ansiedade

Qual é o melhor remédio para ansiedade
Qual é o melhor remédio para ansiedade

As decisões de tratamento dependem de quanto o transtorno de ansiedade generalizada afeta sua capacidade de funcionar na vida diária. Qual é o melhor remédio para ansiedade, Os dois principais tratamentos para o transtorno de ansiedade generalizada são psicoterapia e medicação. 

Psicoterapia

Também conhecida como “terapia da conversa” ou “terapia psicológica”, a psicoterapia envolve trabalhar com um terapeuta para diminuir os sintomas de ansiedade. 

A terapia cognitivo-comportamental é a forma mais eficaz de psicoterapia para o transtorno de ansiedade generalizada.

Geralmente, como um tratamento de curto prazo, a terapia cognitivo-comportamental se concentra no ensino de habilidades específicas para gerenciar diretamente a preocupação e ajudá-lo a retornar gradualmente às atividades que evita por causa da ansiedade. 

Por meio desse processo, seus sintomas melhoram à medida que você desenvolve o avanço inicial.

Medicamentos

Vários tipos de medicamentos são usados ​​para tratar o transtorno de ansiedade generalizada, incluindo os seguintes. Converse com seu médico sobre os benefícios, riscos e possíveis efeitos colaterais.

  • Antidepressivos. Os antidepressivos, que compreendem o inibidor seletivo da recaptação da serotonina e o grupo de medicamentos inibidores da recaptação da serotonina e norepinefrina, são os tratamentos medicamentosos de primeira linha. 
  • Buspirona. Um medicamento anti-ansiedade chamado buspirona pode ser usado continuamente. Como a maioria dos antidepressivos, geralmente leva várias semanas para atingir sua eficácia total.
  • Benzodiazepínicos. Em casos limitados, seu médico pode prescrever um benzodiazepínico para aliviar os sintomas de ansiedade. Esses sedativos geralmente são usados ​​apenas para alívio de curto prazo da ansiedade aguda. 
  • Porque eles podem ser viciantes, esses medicamentos não são uma boa escolha se você tem ou teve problemas com abuso de álcool ou drogas.

Vários remédios fitoterápicos foram estudados para o tratamento da ansiedade, mas são necessárias mais pesquisas para entender os riscos e benefícios. Aqui está o que sabemos (e o que não sabemos):

Kawa. Kava parecia ser um tratamento promissor para a ansiedade, mas relatos de sérios danos ao fígado (mesmo com uso a curto prazo) levaram a Food and Drug Administration a emitir avisos sobre o uso de suplementos alimentares contendo kava. 

Embora esses relatórios iniciais de toxicidade hepática tenham sido contestados, você deve ter extrema cautela e consultar seu médico antes de tomar uma decisão se estiver pensando em usar produtos contendo kava.

Flor da Paixão. Alguns pequenos ensaios clínicos sugerem que o maracujá pode ajudar com a ansiedade. Em muitos produtos comerciais, o maracujá é combinado com outras ervas, tornando difícil distinguir as qualidades únicas de cada erva. 

O maracujá é geralmente considerado seguro quando usado conforme as instruções, mas alguns estudos descobriram que pode causar sonolência, tontura e confusão.

Valeriana. Em alguns estudos, as pessoas que usaram valeriana relataram menos ansiedade e estresse. Em outros, as pessoas não relataram nenhum benefício. 

A valeriana é geralmente considerada segura nas doses recomendadas, mas como não há testes de segurança de longo prazo, não a tome por mais de algumas semanas de cada vez, a menos que seja aprovado pelo seu médico. 

Pode causar alguns efeitos colaterais, como dores de cabeça, tontura e sonolência.

Camomila. Há dados limitados mostrando que o uso de camomila a curto prazo é geralmente considerado seguro e pode ser eficaz na redução dos sintomas de ansiedade. 

No entanto, a camomila pode aumentar o risco de sangramento quando usada com medicamentos para afinar o sangue. 

O uso de camomila pode causar reações alérgicas em algumas pessoas sensíveis à família de plantas que inclui a camomila. Outros membros desta família são ambrósia, calêndula, margarida e crisântemo.

Lavanda. Algumas evidências sugerem que a aromaterapia oral com lavanda ou lavanda pode reduzir a ansiedade; no entanto, a evidência é preliminar e limitada. 

A lavanda oral pode causar constipação e dores de cabeça. Também pode aumentar o apetite, aumentar o efeito sedativo de outros medicamentos e suplementos e causar pressão arterial baixa.

Melissa. Pesquisas iniciais indicam que a erva-cidreira pode reduzir alguns sintomas de ansiedade, como nervosismo e excitabilidade. A erva-cidreira é geralmente bem tolerada e considerada segura para uso a curto prazo, mas pode causar náusea e dor abdominal.

Os suplementos de ervas não são controlados pelo FDA da mesma forma que os medicamentos. 

Apesar dos regulamentos de controle de qualidade em vigor desde 2010, a qualidade de alguns suplementos ainda pode ser um problema. Lembre-se que natural nem sempre significa seguro.

Se você está pensando em usar qualquer suplemento de ervas como tratamento de ansiedade, converse com seu médico primeiro, especialmente se você tomar outros medicamentos. 

A interação de alguns suplementos de ervas e certos medicamentos pode causar sérios efeitos colaterais.

Alguns suplementos de ervas tomados para ansiedade podem deixá-lo sonolento, então eles podem não ser seguros para usar enquanto dirige ou realiza tarefas perigosas. 

Seu médico pode ajudá-lo a entender os possíveis riscos e benefícios se você optar por experimentar um suplemento de ervas.

Se sua ansiedade interfere em suas atividades diárias, converse com seu médico. As formas mais graves de ansiedade geralmente requerem tratamento médico ou aconselhamento terapêutico (psicoterapia) para tratar os sintomas.