Quando O Bebe Morre Na Barriga O Que A Mãe Sente, saiba tudo neste  artigo  continue a ler  e verifique mais detalhes.

A morte fetal intrauterina, também chamada de natimorto , é a morte do feto antes de sua expulsão ou extração ao nascer e, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), é independente da duração da gravidez.

Apesar disso, em geral, considera-se óbito fetal anteparto quando ocorre após a 20ª semana de gestação . Além disso, também se fala em morte fetal tardia se ocorrer após a 28ª semana.

Quando O Bebe Morre Na Barriga O Que A Mãe Sente

Síntomas y causas por las que un bebé muere en el vientre

Depois de nascer, o feto morto é chamado de natimorto ou feto cruzado.Abaixo você tem um índice com os  pontos que vamos tratar neste artigo. Veja abaixo Quando O Bebe Morre Na Barriga O Que A Mãe Sente:

Detectar natimortos não é fácil. No entanto, é importante que a mãe fique atenta a qualquer tipo de sinal que indique que algo não vai bem na gravidez.

Os possíveis sintomas de ter um bebê natimorto incluem o seguinte:

  • Ausência de movimentos do feto
  • Perdas de líquido amniótico marrom
  • O útero não cresce
  • O útero não cresce
  • Perda de elasticidade e firmeza das partes fetais à palpação
  • dor abdominal intensa
  • sangramento vaginal

Em caso de apresentar esses sintomas, é muito importante ir ao ginecologista o quanto antes e verificar se o feto ainda está vivo. Através de um ultrassom abdominal , o ginecologista confirmará se há batimentos cardíacos.

Além disso, se a morte fetal ocorreu há muito tempo, todas as estruturas fetais e a placenta serão cuidadosamente examinadas para encontrar uma possível causa. É importante verificar a sobreposição das suturas cranianas, espessamento do couro cabeludo (auréola de santo), derrame pleural e peritoneal, edema fetal, etc.

QUE EXAMES DE LABORATÓRIO OU ESTUDOS PODEM SER FEITOS APÓS A MORTE DO BEBÊ?

É muito importante que os pais entendam o que causou esse resultado e isso pode ajudar o casal a superar sua situação devastadora. Quando a causa de um natimorto é conhecida, os médicos podem orientar melhor o casal sobre o risco de outro evento semelhante ocorrer em uma futura gravidez e quais seriam as estratégias para preveni-lo.

O médico examinará novamente o bebê, a placenta e o cordão umbilical para tentar descobrir a causa da morte e pedirá permissão aos pais para fazer testes diretamente no bebê que possam detectar a causa da morte. Esses testes podem incluir:

  • Para este teste, é preciso um pouco do fluido (amnio) que envolvia o bebê no útero. Quando há suspeita de infecção ou problema genético (herdado através dos genes) como causa, ele ou ela pode recomendar este teste, que é feito antes do nascimento.
  • Este é um exame físico que é realizado no corpo humano após a morte. A autópsia buscará identificar a causa ou causas da morte, fornecer dados sobre o desenvolvimento do bebê e fornecer informações sobre problemas de saúde que possam ser usados ​​para cuidar da mãe em uma gravidez posterior.
  • Testes genéticos – procurando problemas genéticos – no bebê.
  • Estudos para detectar infecções no bebê ou na placenta.

Além de tudo isso, o médico revisará seu histórico familiar e quaisquer problemas ou doenças que você teve durante a gravidez.

Se necessário, eles farão exames laboratoriais de sangue para verificar se você não tem uma infecção, problema genético ou doença crônica, como lúpus ou problemas de tireóide.

Com os resultados obtidos, o médico saberá se existe a possibilidade de que esse evento se repita caso você engravide novamente. E mesmo que a causa não seja encontrada, todos esses estudos ajudarão você a entender e superar a morte do seu bebê. Se tiver dúvidas, pergunte ao médico qual é o objetivo que procura e o custo.

Causas

Existem muitas causas que podem explicar a morte do feto no útero, embora sejam difíceis de determinar.

As origens do natimorto podem ser maternas, fetais ou relacionadas à placenta. Em alguns casos, será possível preveni-los antecipadamente e agir a tempo de evitar a morte do bebê.

Causas maternas

Os problemas que podem levar a um natimorto anteparto relacionados à mãe incluem o seguinte:

  • Doenças crônicas: lúpus, diabetes mellitus, anticorpos antifosfolípides, hipertensão arterial, etc.
  • Embarazo prolongado que dura más de 42 semanas.
  • Infecções durante a gravidez: listeriose , rubéola ou toxoplasmose.
  • Pré-eclâmpsia.
  • Incompatibilidade Rh : O Rh do sangue da mãe é diferente do Rh do bebê.
  • Ruptura uterina.
  • A morte da mãe.

É importante que a mulher saiba se tem alguma doença antes da gravidez para tomar as medidas necessárias e/ou decidir se quer realizar a gravidez.

Além disso, existem alguns fatores que aumentam o risco de natimortos: tabaco, álcool, drogas, idade materna avançada, desnutrição, etc. É muito importante para uma mulher levar um estilo de vida saudável durante toda a gravidez.

Causas fetais

É possível que algumas alterações no feto durante a gravidez sejam responsáveis ​​por sua morte:

  • Crescimento Intrauterino Retardado (RIG): o feto não cresce na taxa adequada e eles são menores.
  • Alterações genéticas e cromossômicas.
  • Má formação congênita.
  • Alterações no líquido amniótico : oligoâmnio e polidrâmnio.
  • Gravidez múltipla : desequilíbrio circulatório em benefício de um bebê e em detrimento do outro.
  • Rotura prematura de membranas.

Causas placentarias

Entre as causas relacionadas à placenta, podemos citar as seguintes:

  • Patologia do cordão umbilical: circulares, nós, torções e rupturas.
  • Descolamento de placenta.
  • placenta prévia.
  • Envelhecimento severo da placenta.
  • Vasa prévia: Os vasos sanguíneos fetais não são protegidos pelo cordão, eles podem rasgar, fazendo com que o bebê sangre.

Muitas dessas patologias placentárias causam sangramento significativo, o que impede o feto de receber oxigênio e nutrientes suficientes, levando à morte.